Pintura eletrostática a pó - Aplicações da Física

Uma técnica aplicada na indústria desde a década de 1980 para colorir metais é a pintura eletrostática
Apesar de a ideia geral de seu funcionamento ser bastante simples, o principal desafio no processo de pintura é conseguir a aderência do pigmento ao material a ser pintado.
Pistola de tinta, bico carregado com cargas negativas, carro carregado com cargas positivas e partículas de tinta carregadas negativamente. https://www.ufjf.br/fisicaecidadania/2013/12/16/o-que-e-e-como-funciona-a-pintura-eletrostatica/

Diferentemente do que ocorre com as tintas líquidas, que utilizam solventes à base de óleo ou água para fazer a aderência, a pintura eletrostática usa a propriedade de atração entre cargas elétricas opostas.

No caso das peças metálicas, após estarem limpas e secas, carrega-se eletricamente a peça a ser pintada, por exemplo, a porta de um carro ou de uma geladeira, e a seguir utiliza-se uma pistola para borrifar o pó sobre a peça (figura abaixo). 
As partículas sólidas de tinta que saem da
pistola estão carregadas com cargas de sinal oposto ao da peça. Com isso, as partículas sólidas são atraídas para o material e aderem facilmente à superfície, inclusive nos cantos muito difíceis de ser alcançados.

Posteriormente, a peça é aquecida para que as partículas de tinta, que são constituídas de
diferentes tipos de materiais plásticos, derretam e permaneçam unidas à superfície do material.

Com essa técnica de pintura, é possível obter camadas mais espessas sem que ocorra o aparecimento de gotas, como as que surgem quando se aplicam tintas líquidas.

Referências

Luz, Antônio Máximo Ribeiro da Física : contexto & aplicações : ensino médio / Antônio Máximo Ribeiro da Luz, Beatriz Alvarenga Álvares, Carla da Costa Guimarães. -- 2. ed. -- São Paulo : Scipione, 2016. Obra em 3 v. 1. Física (Ensino médio) I. Álvares, Beatriz Alvarenga. II.

Nenhum comentário