Você sabia que as hienas fêmeas evoluíram para possuir um pseudopênis e um pseudoescroto? E que os machos estão sujeitos às fêmeas na hora de comer?

Você sabia que as hienas fêmeas evoluíram para possuir um pseudopênis e um pseudoescroto? E que os machos estão sujeitos às fêmeas na hora de comer? Bem, nós contamos-te algumas coisas muito interessantes.

As hienas, embora possam se assemelhar muito a cães, este mamífero africano está mais intimamente ligado aos gatos, mas as hienas não pertencem a nenhuma das duas famílias acima citadas, mas formam uma família própria chamada Hyaenidae.


As hienas fêmeas têm três vezes mais testosterona no corpo do que os seus homólogos machos. Isso resulta em que eles são mais musculosos e mais agressivos, como se isso não bastasse, as fêmeas hiena têm um pseudopênis.


Isso torna incrivelmente difícil diferenciar as hienas macho e fêmea. As fêmeas não têm vagina externa e mijam através do pseudopênis, assim como as hienas machos.


Eles são capazes de uma ereção porque o pseudopênis é na verdade um clitóris gigante.


Quando você pensou que não poderia ficar mais estranho, as pobres hienas fêmea precisam dar à luz através do seu pseudopênis. Não é surpresa aqui, mas é um processo bastante doloroso para a mãe e muitas vezes trágico para os seus bebês.


Hienas costumam levar ninhadas de dois a quatro filhotes, mas, infelizmente, cerca de 60% dos filhotes sufocam ao sair.


As mães também estão em perigo, pois o canal de nascimento tem apenas um centímetro de diâmetro, muitas vezes tornando o processo de nascimento fatal, como demonstra a alta taxa de mortalidade para as mães de primeira viagem.


Uma das várias teorias para a origem deste pseudopênis postula que evoluiu com uma função protetora: para que as hienas acasalem, a fêmea deve retrair voluntariamente o canal do pseudopênio para facilitar a copula.


Isso proporciona às fêmeas, ao contrário de muitas outras espécies, a última decisão de acasalar. É por isso que as hienas fêmeas são extremamente seletivas com quem acasalam.


Fonte: National Geographic




Nenhum comentário