ESTE PEQUENO MOLUSCO É MUITO PODEROSO, É CAPAZ DE COMER PEDRAS E DEFECAR AREIA.

ESTE PEQUENO MOLUSCO É MUITO PODEROSO, É CAPAZ DE COMER PEDRAS E DEFECAR AREIA.



Pesquisadores liderados por Reuben Shipway, da Northwestern University, nos Estados Unidos, fizeram uma descoberta surpreendente no rio Abatan, na ilha de Bohol, nas Filipinas.

A estranha criatura, apelidada de “salsicha translúcida”, acabou por ser um membro dos conhecidos “vermes de navio”, moluscos que geralmente se alimentam de madeira em barcos.

Ao contrário de seus parentes, esse molusco, chamado Lithoreda abanatica, apresentava um comportamento único ao consumir pedras em vez de madeira, deixando em seu rastro excrementos em forma de areia. Este fenómeno intrigante não só revelou uma nova espécie, mas também um género completamente novo para a ciência.




O nome científico do verme reflete seu hábito alimentar, fundindo "litho" (latim para rocha) e "teredo" (latim para verme), enquanto a segunda parte do nome homenageia o rio Abatan, seu habitat específico. Pesquisador Reuben Shipway, atualmente afiliada à Universidade de Massachusetts, descreveu Lithoreda abanatica como um “animal quase mítico”, destacando o fascínio gerado por esta descoberta. Shipway reconheceu a tendência dos cientistas de descobrir criaturas desconhecidas, embora as comunidades locais estejam familiarizadas com elas há muito tempo, disse Dan Distel, diretor do Ocean Genome Legacy Center da Northwestern University e coautor do estudo.

O animal estranha que não seja apenas uma nova espécie, mas um novo gênero

A presença destes vermes das rochas teve um impacto significativo no ecossistema do rio Abatan, transformando as rochas ao enchê-las de buracos. Estas tocas, hoje abandonadas pelos moluscos, tornaram-se refúgio para pequenos peixes e crustáceos, evidenciando a profunda alteração que este molusco introduziu no seu ambiente.

Medindo aproximadamente 150 milímetros de comprimento, esses vermes das rochas se distinguem fisicamente de seus parentes madeireiros por possuírem dentes maiores, adaptados para perfurar rochas. Os detalhes desta descoberta foram documentados num estudo publicado no Proceedings of the Royal Society B, o jornal da Academia de Ciências do Reino Unido. Este fenómeno realça a importância da interação entre a biodiversidade e o seu impacto nos ecossistemas locais.

Nenhum comentário